-->

Koe no Katachi - Falando de obras #3 | Mangá | Bloggando

Uma resenha de um dos filmes mais emocionantes e tristes que eu já assisti: Koe no Katachi
Koe no Katachi

Conhecendo essa obra fantástica, que emociona com uma história de uma garota   surda e o garoto que lhe provocava Bullying.


Autora




Yoshitoki Ooima nasceu em 15 de março de 1989, que atualmente conta com 32 anos, é uma artista e escritora de mangás japoneses, conhecida principalmente pela sua obra, Koe no Katachi (A voz do Silêncio).

Ōima nasceu em 15 de março de 1989 em Ōgaki, Japão, como terceira filha de mãe intérprete de linguagem de sinais e tem uma irmã mais velha e um irmão mais velho. Devido ao trabalho de sua mãe como intérprete de linguagem de sinais, Ōima se inspirou para escrever a série de mangá A Silent Voice, onde teve a ajuda de sua mãe e sua irmã trabalhando na série.

One-shot

Segundo o Dicionário Informal

One-shot (ou “um-tiro” — por ser uma leitura rápida) É um termo utilizado para mangás (quadrinhos, comics, banda desenhada etc) que contenham somente um capítulo não fazendo parte de uma série, seja ele curto e postado de uma só vez ou longo e postado em partes.

Geralmente o intuito dos one-shot são feitos com o intuito de apresentar a obra, principalmente para a participação de concursos. O one-shot da série Koe no Katachi foi lançada no ano de 2011 na revista Bessatsu Shōnen Magazine.


Mangá

No ano de 2013, o mangá foi serializado na revista Weekly Shōnen Magazine.


Filme

Em 17 de setembro de 2016 o filme da obra foi lançado. Foi produzido pela Kyoto Animation, sendo dirigido por Naoko Yamada e escrito por Reiko Yoshida, com design de personagens por Futoshi Nishiya e música de Kensuke Ushio.


Cuidado: Filme completo abaixo!
Bora assistir:

História

A história de Koe no Katachi gira em torno do primeiro contato que alunos da 6º Classe tem com uma garota com perda auditiva congênita, Nishimiya Shōko, que é transferida para essa classe. No início, percebe-se a animação dos alunos, que procuram receber Shoko, mas essa mesma animação se perde ao longo do tempo, a medida em que começam a ficar fardos de auxiliar ela.

Em meio essa perda de animação, surge a violência e o Bullying, que se tornam frequentes, principalmente por parte de Ishida Shōya, menino da classe que faz da Shoko um alvo, principalmente para se sobrepor em meio aos seus “amigos”, que o instiga a continuar.

As mudanças do anime ocorrem em meio a interferência da escola e da mãe de shouko, quando procuram o principal culpado sobre a perda dos aparelhos de Nishimiya, E Ishida acaba por ser o principal culpado, mesmo que ele não tenha praticado sozinho.


E a história nesse momento, acaba por ter outro rumo, pois Ishida acaba por se tornar também vítima de bullying por parte dos colegas, e desse momento em diante ele acaba entendendo todo o caminho que Shouko sofreu desde o momento em que esteve na escola.

A história sofre um salto temporal, e com ele já adolescente, e com a consciência pesada em relação a todo o ocorrido, procura por Shouko com a intenção de redenção de todos os problemas causados. E nesse período, acaba por encontrar seus colegas anteriores, além de criar amizades.

Observação:

Há bastante tempo que eu venho tendo em minha mente esse anime/mangá, que possui uma história que em certa medida que é simples, pois muitas são as histórias a qual tem como plano de fundo: violência/bullying/preconceito.

Mas a história de uma forma incrível, ainda mais pelos personagens, a qual você odeia no início, pela forma em que maltratam a personagem Shoko, mas que ao passar do filme/mangá, você acaba, assim como a personagem, os perdoando. E em certa medida, esquecendo as formas que eles eram no passado, mesmo que MUITO cruéis.

Referências